Conselho de Ética intima vereador de Curitiba que participou de ato em igreja

O vereador Renato Freitas durante audiência remota da Câmara (Foto: Rodrigo Fonseca/CMC)

O Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara Municipal de Curitiba intimou nesta terça-feira (22) o vereador Renato Freitas (PT), que no dia 5 deste mês participou de um ato contra o racismo na Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos de São Benedito. Nesta quarta-feira começa a contar o prazo de 15 dias para que o parlamentar apresente sua defesa.

A manifestação foi realizada em memória do congolês Moïse Kabagambe e de Durval Teófilo Filho, dois negros assassinados no Rio de Janeiro. A certa altura, os manifestantes entraram pela porta lateral da igreja. Nada foi destruído.

Segundo Freitas, o local do ato foi escolhido por sua relação histórica com a população negra curitibana. A Igreja, inaugurada em 1737, foi construída por pessoas escravizadas. “Nos surpreende perceber que exaltar o amor e a valorização da vida em uma igreja causa mais indignação que o assassinato brutal de dois seres humanos negros no Brasil”, afirmou Renato Freitas.

“A população se manifesta de forma apaixonada, mas aqui o processo é técnico e imparcial. Não há aqui possibilidade de juízo acusatório”, disse o presidente do Conselho de Ética, vereador Dalton Borba (PDT).

O prazo para a conclusão do trabalho do Conselho de Ética é de 90 dias. O processo pode ser arquivado ou o colegiado pode decidir pela aplicação de uma penalidade, que pode ser uma advertência, a suspensão ou a cassação do mandato. Só neste último caso a decisão do Conselho é votada pelo plenário da Câmara.

  • Esta matéria foi produzida a partir de informações repassadas pela assessoria do vereador Dalton Borba e de materiais publicados no site do mandato do vereador Renato Freitas.