‘Agredido como se fosse um animal peçonhento’, diz MP sobre morte de Moïse

Protesto no local em que o congolês Moïse Kabagambe foi morto (Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil)

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) denunciou três pessoas pela morte de Moïse Kabagambe, jovem congolês que foi brutalmente espancado em um quiosque na Barra da Tijuca no dia 24 de janeiro. Eles foram presos no dia 2 de fevereiro.

Segundo o MPRJ, o trio cometeu homicídio com crueldade e tratou Moïse como se fosse “um animal peçonhento”, desferindo golpes com um taco de beisebol, socos, chutes e tapas. Ainda de acordo com a denúncia, o crime foi praticado por motivo fútil, decorrente de uma discussão, e foi utilizado recurso que impossibilitou a defesa da vítima, já que o jovem foi derrubado e imobilizado enquanto era espancado e depois teve os pés e as mãos amarrados.

Os três vão responder na Justiça por homicídio triplamente qualificado. O MPRJ pediu a conversão da prisão temporária dos denunciados em preventiva e que uma audiência preliminar analise a conduta dos indiciados pelo crime de omissão de socorro à vítima. Um dos suspeitos não foi indiciado por esse crime por ter buscado auxílio policial.

O inquérito deve ser encaminhado à Vara da Infância e Juventude, para que seja analisada a conduta de um menor de 18 anos envolvido no caso.

As informações são da Agência Brasil, a agência de notícias do governo federal.